segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

O Fantasma de Canterville- trabalhos do 9º A



Quadras

Fantasma de Canterville

No dia 15 de abril
Algo terrível aconteceu
O Fantasma de Canterville
 Do nada renasceu.


Por Canterville Chase
Vagueia, na escuridão
Seu corpo nunca encontrado
Vazio está o caixão


Sem nada saber
Sr.Otis a casa comprou
Depressa se arrependeu
Pois alguém o assombrou

Uma mancha de sangue
Na biblioteca aparecia
todos se perguntavam
se era encanto ou magia.

Barulhos de correntes
À noite se faziam ouvir
Evitando que a família
Conseguisse dormir

Simão Ramos

Página de Diário

Quarta, 3 de outubro de 1890

Meu querido diário

O meu dia, hoje, foi de loucos!
Um fantasma pediu-me para o ajudar a morrer, mais, precisamente, o fantasma que vive em minha casa. Pediu-me encarecidamente que o ajudasse a encontrar a paz.
Eu, no início, hesitei, mas, como estava muito triste, decidi ajudá-lo.
Fui com ele, apesar de desconhecer o sítio para onde me levava.
Entrámos numa espécie de portal e, já no local, ele deitou-se numa cama. Só depois percebi que se tratava do seu quarto.
Ele incentivou-me a ler um livro. Comecei a ler “ os contos” de Eça de Queirós. A dado momento, ele fechou os olhos e, eu soltei umas lágrimas, pois sabia que jamais lhe veria a cor dos seus olhos.
Antes de morrer, deu-me uma caixa e disse para a entregar ao meu pai.
Passados alguns segundos, ele foi-se.
Quando cheguei a casa, estavam todos preocupados comigo. Fiz tudo o que o fantasma me disse mesmo o não queria.
Amanhã, será o seu funeral, para alegria de muitos e tristeza minha.
Como podes ver, o meu dia, apesar de triste, foi incrível.

Marta Martins



Entrevista

Um Fantasma chegou ao Castelo de Canterville a 28 de junho de 1575.  Estou aqui, hoje, para saber um pouco sobre a sua vida e a razão pela qual escolheu este castelo para assombrar.  
Entrevistador: Bom dia, senhor Fantasma! Estou curioso por saber a razão pela qual vocês, fantasmas, só aparecerem à noite.
Fantasmas: Bom dia! Boa questão…nós aparecemos à noite, visto que detestamos a luz solar, já que nos encandeia os olhos.
Entrevistador: As pessoas mais antigas dizem que vocês, fantasmas, são almas de pessoas que já morreram. É verdade?
Fantasma: Depende dos fantasmas, alguns são almas de pessoas que já morreram como, por exemplo, eu, mas há outros que são fruto da imaginação das pessoas.
Entrevistador: Vive no castelo de Canterville. Qual a razão de ter escolhido este espaço e não noutro?
Fantasma: Muita gente me questiona sobre isso. Há muitos anos, neste mesmo castelo morreu a Lady Eleanor de Canterville assassinada pelo próprio marido, Sir Simon. Ele sobreviveu durante nove anos, nunca tendo sido encontrado o seu corpo. Quanto ao seu espírito… creio que está em mim, por isso é que vagueio, ou melhor, ele vagueia em mim, por este castelo
Entrevistador: Então  o senhor  é o Sir. Simon?
Fantasma: Não, eu sou apenas o seu espírito.
Entrevistador:  Em que ocupa o seu tempo neste castelo?
Fantasma: Brinco muito com Virgínia, pois para ela eu sou o seu melhor amigo. Ela confia em mim, conta-me tudo sobre a escola, sobre o rapaz de quem ela gosta, e, até, sobre as suas aventuras com os gémeos.
Entrevistador: Gosta dos gémeos?
Fantasma: Já tentei assustá-los várias vezes, mas eles surpreenderam-me  pela positiva. Sabe que uma noite até me atiraram com almofadas à cabeça? São muito traquinas e gostam de “gozar” comigo.
Entrevistador: E o Sr. Otis? Alguma vez tentou assustá-lo?
Fantasma: Sim, já o assustei algumas vezes. Na semana passada, mais propriamente, no sábado, à meia noite, pensando que já estava a dormir, aproximei-me do seu quarto, só que as minhas correntes traíram-me.
Entrevistador: Não me diga que o sr Otis o convidou para ir dormir no seu quarto?
Fantasma: Bem, convidar, não convidou, mas recomendou-me que usasse elixir para tirar a ferrugem das minhas correntes e, assim, não fizessem barulho.
Entrevistado: E o senhor seguiu o conselho?
Fantasma: Não, pois já tenho muitos anos e mesmo com elixir as minhas correntes vão continuar a fazer barulho.
Entrevistador: Muito obrigado por ter aceite este convite pois tínhamos muitas curiosidades sobre si.
Fantasma: O gosto foi meu.

Inês


Crónica
Fantasma de Canterville
Desço as escadas da mansão, vejo os gémeos a brincar e passo ao lado para eles não me chatearem. Vou ver o que há para comer, encontro a Virgínia na cozinha sozinha e cansada. Penso em cumprimentá-la, mas não o faço. Atravesso o hall de entrada e saio para a rua em direção ao parque. Lá, reina o silêncio, os pássaros dormem e as crianças também. Eu era o único naquele lugar! Paira no ar uma solidão imensa, as flores estão mortas e os baloiços enferrujados e abandonados.
Saio do parque, viro-me para a direita e mergulho na escuridão da rua dos Esqueletos. Na casa número cinco, há a entrada para a sala de cinema. Entro e dirijo-me ao vendedor. Todo aquele espaço é bonito, bem arranjado, atraente, higiénico e impessoal. Compro o meu bilhete, o vendedor recebe a nota e dá-me o troco. Ausente, abstrato, talvez inseguro. Verá sequer as pessoas que desfilam diante de si? Apetece-me dizer alguma coisa, que o troco não está certo, que me deu dinheiro a mais ou a menos mas não digo nada. As máquinas sabem o que fazem e o vendedor também.
Tenho, de repente, saudades do bilhete de não sei quantos cêntimos que dentro de alguns anos se deixará de pedir numa sala de cinema a um funcionário ou a um vendedor com cara de poucos amigos. Tenho saudades, também, do barulho do parque com crianças a brincar e os animais a saltitar.
Volto a casa cansado por ter visto um filme em que ninguém compreende a vida de um fantasma.
Sinto-me desgostoso! Sinto-me num futuro sem vida!

Simão Gomes












A Menina dos Fósforos “ “ O Príncipe Feliz” “A Noite de Natal» .



       

No dia 27 de novembro, a Biblioteca escolar recebeu o grupo da Biblioteca Municipal de Alijo para mais uma atividade de leitura encenada.

Desta vez, serviram de base excertos de “ A Menina dos Fósforos “ de Hans Christian Andersen ;  “ O Príncipe Feliz de Oscar Wilde e  “A Noite de Natal» de Sophia de Mello Breyner Andresen .

Por fim, fomos surpreendidos por uma bela canção de Natal, pelas vozes da Cristina e da Tila.

Os nossos meninos também os surpreenderam os convidados ao recitarem quadras sobre a época natalícia e algumas lengalengas.

“ Carnaval infernal”




No dia 13 de novembro, a Biblioteca Escolar recebeu o Grupo da Biblioteca Municipal de Alijó para mais uma encenação da peça “ Carnaval infernal” de Carlos Correia.

Os três elementos do grupo recriaram personagens que fazem parte do imaginário infanto-juvenil (a bruxa, o lobo, o diabo, ) entidades que pertencem ao mundo fabuloso das histórias de todos os tempos.
 Nas palavras o autor, "é mais do que um texto para teatro: esta proposta alarga-se ao conceito de espetáculo global em que intervêm a dança, a música cantada e a representação.

Articulação com a Biblioteca Municipal- “Os Cozinheiros D`Oz” e “ A Revolta dos Micróbios”


    No dia 30 de outubro, estiveram na nossa biblioteca três representantes da Biblioteca Municipal de Alijó para duas leituras encenadas: “Os Cozinheiros D`Oz”  e  “ A Revolta dos Micróbios” da autoria de Carlos correia.

Estiveram presentes os alunos do pré-escolar e 1º ciclo.
 Foi com enorme alegria que eles assistiram a estas encenações.
Trata-se de propostas de expressão artística em que os aspetos sensoriais assumem grande importância, despertando os pequenos participantes para a fruição estética e dramatúrgica.










Olívia, a ovelha que não queria dormir, Clementina Almeida


No dia 18 de novembro foi trabalhada a obra “Olívia, a ovelha que não queria dormir, Clementina Almeida, com os meninos do Pré-escolar, com o objetivo de incutir nas crianças a importância do sono para a reposição da energia física e para a ativação da memória e da capacidade de aprenderem.
       Como atividades de pré-leitura, os meninos foram questionados sobre quantas horas dormiam, se se  
       levantavam cedo, se viam televisão …
      Posteriormente, houve diálogo sobre “estratégias para adormecer”.
      Finalmente, os meninos criaram uma mascote com a ajuda das educadoras.

Não quero …lavar os dentes, de Ana Oom


No dia 04 de novembro, no âmbito do projeto SOBE (Saúde Oral da bibliotecas Escolares) foi trabalhada a história Não quero …lavar os dentes, de Ana Oom, com os seguintes objetivos:
·         Desenvolver a orientação e a aprendizagem de alguns conceitos de higiene oral, de forma criativa e lúdica;
·         Envolver os alunos na transmissão de boas práticas de saúde oral aos pais e encarregados de educação.
Após a leitura, houve tempo para o diálogo sobre as regras de higiene, aspeto importante para manter hábitos de saúde.
Foi, ainda, feita uma sensibilização para as diferenças entre humanos e animais: lavar os dentes, escovar, pentear, banhar…
 Por último, os alunos foram desafiados a desenhar e ilustrar  um dentista, considerado por eles, como uma profissão importante para a saúde oral.







Pré-escolar- Dia Mundial dos Castelos




No dia 07 de outubro, os alunos do 8º ano, com recurso a um castelo de brincar, contaram a lenda da conquista de Lisboa aos alunos do Pré-escolar. Posteriormente, foi a vez de eles recontarem a lenda, assim como responderem a questões acerca dos conhecimentos transmitidos.
Por fim, como atividade lúdica, os meninos pintaram, em conjunto, um castelo.